Velhice sem afeto

Velhice sem afeto

"Sofro de culpas e remorsos. Creio que errei em tudo. Magoei minhas filhas quando elas mais precisavam de mim. Hoje elas me acusam e se afastam. Tenho 63 anos e vivo sozinha como uma velha de 80 anos. Fiz o que achava correto na época. Será que mereço a indiferença delas?"

Suzana Rodrigues. São Paulo (SP)

Velhice sem afeto
Imagem: Pixabay

 

Ana Fraiman

Se na meia-idade não acordamos para a grande importância que é fazer novos amigos, circular em vários ambientes, despertar interesses diferentes, se nessa ocasião adotarmos uma posição de procurar somente nos filhos e netos nossa fonte contínua de afeto e bem-estar interior, estaremos criando as bases de uma velhice afetivamente precária.

Continue lendo