Gritar em meio a uma discussão é algo que deve ser evitado. Os mais antigos diziam: - Numa briga, o primeiro que grita perde a razão.

E isso é óbvio. Os gritos são decorrentes de uma grande tensão emocional que se instalou em um, em outro ou em todo mundo ao mesmo tempo!

Por que as pessoas gritam numa discussão?
Discussão - Fonte: mulherportuguesa

Discutir não é brigar.

Há discussões muito positivas, que se prestam a ventilar ideias, firmar posições, esclarecer assuntos e dar direcionamentos. Seja em casa, seja nos negócios. Vamos discutir uma coisa, não significa: 'vamos brigar'. Pode significar exatamente o contrário: 'vamos nos entender, nos ajustar, nos conciliar'. Ou até mesmo, 'vamos concordar que neste quesito não chegaremos a nos entender'. Mas nem por isso precisaremos brigar!

É assim que muitos namoros, casamentos e sociedades se dissolvem. Discutem-se as ideias, mas sem que as pessoas briguem entre si. Os ânimos podem se exaltar, a impaciência pode bater e as vozes até podem se altear. Mas quando o propósito de uma boa discussão é levar a um bom termo uma relação, discutir é o caminho, nem que seja para fazê-lo diante de um mediador. Um psicoterapeuta, um advogado ou, mesmo, um mediador de conflitos.

Discutimos resultados. Discutimos modus operandi. Discutimos sempre e isso é porque pessoas não pensam e não sentem e não fazem as coisas de modo igual. Há interesses em pauta, há valores em jogo e há vontades que se contradizem. Então, não dá para evitar discussões. Muitos cursos são oferecidos para ensinar pessoas a 'discutir sem ferir os outros nem sair ferido ou derrotado'.

Agora, gritar em meio a uma discussão é algo que deve ser evitado. Os mais antigos diziam: - Numa briga, o primeiro que grita perde a razão. E isso é óbvio. Os gritos são decorrentes de uma grande tensão emocional que se instalou em um, em outro ou em todo mundo ao mesmo tempo! Daí que, todos se deixam levar pela emoção e a razão sai de cena. Qualquer decisão tomada 'no berro' leva grande chance de não vir a ser cumprida.

Já que uma decisão tomada 'no berro' tem grande chance de não ser cumprida, o que é necessário saber sobre isso?

Há os que sentem medo, quando alguém grita. Há os que acham isso ridículo. E há os que berram de volta. E daí, qual dessas reações funciona melhor, quando o outro começa a gritar? Nenhuma delas. É possível que aquele que berra esteja querendo impor sua autoridade pelo medo, mesmo. Quem grita em geral também faz ameaças. Considere logo de início: não leve para si o medo que é da outra pessoa. Não se identifique com o medo dela ou dele.

Quem grita também pode querer exercer uma autoridade que, efetivamente não tem. Ou que tem, mas ainda não aprendeu a usar bem. Por isso se torna ridículo: de autoridade a pessoa vira autoritária e começa a 'forçar a barra' ou porque não é, mesmo, capaz de assumir o poder que tem.

Quer ver? Quando um pai grita com o filho porque pegou o carro sem autorização, o filho acaba por não ouvir o que o pai está dizendo (conteúdo) e se incomoda mais com os berros (forma), numa espécie de autodefesa. Ridículo é, também, quando um chefe dá uma baita de uma bronca em todos da área, porque ele próprio não foi capaz de descobrir quem fez algo que não deveria ter feito, ou porque ele mesmo não assume que deveria ter explicado melhor o que queria do grupo.

Até aqui falamos em reações. Agora vamos falar de ações.

Primeiro, não adianta gritar de volta. Quem está emocionalmente alterado, ou vai ouvir tudo errado ou nem vai ouvir. Daí que, é melhor aguardar que o outro se canse de gritar ou que vire as costas e vá embora, por que gritar cansa. E cansa logo. É só esperar que pessoa pare de gritar. Esperar, porém, sem fazer troça, que nessa hora a troça só bota mais lenha na fogueira.

Além disso, ter em mente - e isso é muito importante - que a pessoa que grita, ela sim é quem está com medo! Quem quer 'botar medo nos outros', está sentindo medo e não se apercebe disso. Medo de ser julgado, de não cumprir metas, de ser derrotado ou ultrapassado. Medo de ser excluído. Há muitos medos.

Por último, a pessoa que grita, em geral está se sentindo muito, muito só e... Afastada. Ela tem uma impressão muito ruim e difícil de suportar, de que ela - ou ele - está num lado do rio e a outra pessoa está do outro. Simplesmente quer, então, alcançar o outro através das palavras gritadas, especialmente quando o rio é caudaloso, ruge e é difícil atravessá-lo.

Considere, portanto, que a pessoa que grita pode estar sentindo muita dor e nem sabe como cuidar disso. Querendo se aproximar, só faz por se afastar. E isso dói mais ainda.

  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.
  • Pré-candidata a Vereadora por São Paulo, pelo PSDC.
  • Presidente Nacional dos segmentos Família e Idoso pelo mesmo partido.

2 Comments

Deixe uma resposta