Envelhecer

Com certeza um dos indicativos da crise da maturescência e a sensação de premência com relação ao Tempo. Num dado momento o horizonte temporal se estreita, gerando um sentimento de “não dá mais”, “passou da hora” ou “não é mais para mim”; noutro momento, o horizonte temporal se alarga: “E agora ou nunca mais!”

Envelhecer
Imagem: Pixabay

Já suficientemente experiente para saber de seu próprio valor, mas não tão vivida, a pessoa começa a se embaralhar em seus planos e expectativas, sem saber direito o que quer da vida. Tudo e questionável. As relações familiares ficam tensas. É muita transformação. Filhos crescidos e pais envelhecidos. Não raro passam a conviver, sob o mesmo teto, quatro gerações. Nesse momento específico da vida, na passagem da maturidade para a meia idade, as perguntas mudam, face as respostas que já foram dadas.

Um dia, lá atrás, alguém perguntou: “O que você quer ser quando crescer?” E riram de nós, como rimos de nossos filhos, quando respondíamos orgulhosos: “guarda de trânsito”, “piloto de avião”, “quero ser aquele que manda”! Enfim, qualquer um de nós sonhou em ser artista, poderoso, habilidoso, bonito, capaz. E muitos chegamos perto. Outros fomos além. Agora a pergunta é outra: o que você quer ser quando envelhecer?

Tenho observado a “mania” que as pessoas têm de querer queimar etapas. Tudo pra já! Mas, velhice? Para que apressar? Sabe, aquela urgência de mudança? Por não saber exatamente o que fazer, muita gente resolve simplesmente envelhecer. Larga mão das coisas, da saúde, da beleza, das atividades...

Condição previdenciária

“O que você faz na vida?”

“Sou aposentado. Faço nada”.

Na verdade, aposentadoria define mais, é uma condição mais previdenciária que ocupacional, porque se subentende que aposentado, hoje em dia, é inativo, desocupado. Então, é difícil entender aqueles que se definem mais pelo que não fazem do que por aquilo que são.

O fato é que as pessoas, conscientes ou inconscientemente, buscam ser iguais aos seus modelos de infância e juventude. Naquela época, há 40, 50 anos, os de 60 eram mesmo velhos. Viviam como dependentes, ou estavam doentes. Hoje, se formos seguir o mesmo caminho, vamos queimar etapa, porque os progressos do mundo nos permitem levar mais tempo para começar a envelhecer. Ou seja, é cada vez mais frequente que se chegue inteiro e bem-disposto aos 80, e ainda com vontade de casar!

“Hoje em dia, é inativo, desocupado. Então, é difícil entender aqueles que se definem mais pelo que não fazem do que por aquilo que são”

Em outras palavras, não se passa mais tempo na condição de velhice, mas surge o fenômeno da meia idade, que empurrou o tempo de ficar velho umas boas décadas lá para frente. Os anos de vida que se acrescentaram não se inserem nem na infância, nem na senectude, mas na idade adulta madura.

E por isso que muitos não sabem o que fazer consigo nesse tempo. As sociedades não estão organizadas para fazer face a esse processo, de tanta gente já aposentada reivindicando respeito, valorização, ocupação. Gente capaz, com vontade de trabalhar, de contribuir, de participar. Gente que se olha no espelho e busca uma nova identidade. Gente que não está mais se conformando em sair da frente e dar espaço para os mais jovens. Gente que quer saber, sim: “E nós? E agora?!”

Gente que quer crescer na vida ao seu tempo, e entende que o melhor tempo da vida é o que está à disposição, é o que se cria, é o que se aproveita. Agora é a cada nova hora. O tempo, ele próprio, passa a ter o seu valor. A maturidade nos traz esse conhecimento.

“O que você quer ser quando envelhecer?”

Quer responder que já sabe, já começou? Ou quer deixar para daqui a um bom tempo, para com 80, 90, poder dizer: “Envelhecer? E é uma boa hora para começar a pensar nisso!...”

Ana Fraiman - Revista Pharmacia – Outubro 1996

Inscreva-se no Canal Ana Fraiman no Youtube para não perder nossos conteúdos em vídeo: 

 
  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.

Deixe uma resposta