Pilula do sumiço

No dia em que inventarem, ou descobrirem a fórmula da pílula para sumir, estarão resolvidos os problemas do climatério.

Pílula do sumiço
Imagem: Pixabay

Há uma fase, sim, em que nos encaramos no espelho: “O que é que eu fiz da minha vida?!” Dá vontade de parar o tempo. Se não, fazê-lo rodar para trás.

Não é que as coisas que nos cercam sejam tão ruins, assim. Elas são... péssimas! A impressão é a de que está, simplesmente, tudo errado. Casamento, trabalho, a educação dos filhos, os fins de semana, o trânsito, a comida, o peso, o sexo… Tudo! Não estamos doentes, mas estamos não-bem.

Você olha objetivamente e, realmente, não há nem quem, nem o que culpar. Além disso, você sabe que a culpa também não é sua, que até agora fez o melhor que pode. Até se superou. Então, o que é que não dá mais liga?

Entre uma sensação de estar cheio de tudo, ou um tremendo vazio lá no fundo, você se pergunta: “Que tipo de pessoa me tornei?” E não sabe responder. Talvez saiba melhor aquilo de que você não gosta. Mas fica difícil definir o que é que você realmente quer da vida, daqui pra frente. Quando vai ver o que quer e gosta, em geral é alguma coisa ou atividade que diz respeito somente a você. Assim, como se tivesse escondido, até agora, o “tremendo egoísta” que você é.

Você odeia que mexam nas suas coisas. Você detesta as intermináveis reuniões familiares. Não tem mais paciência para ti-ti-ti de pessoas burras. Sente náuseas de puxar as contas e altas coceiras quando aquele cunhado chato aparece de novo, pedindo dinheiro, contando problemas e fazendo chorar a coitada-da-sua-irmã.

Isso para não falar que você não tem conversa com “os velhos” e se flagra irritado com a juventude acintosa dos seus filhos e sobrinhos. E quando resolvem colocar um bebezinho, tão chorão quanto perfumado, em seus braços, e lhe chamam avô?!

Vêm à mente: a primeira namorada, a primeira ejaculada sem querer, a primeira bebedeira, o primeiro emprego. Aquela nostalgia! Vai que você encontra um colega de antigamente e ele o reconheça na rua! “Será que eu envelheci tanto assim, também?”.

Vai que você arrisca e, meio que por acaso, começa a bater papo com uma moça... uma jovem, alegre, bonita, paqueradora... E que, só para ver se funciona, você resolva testar seu charme e sedução. E não é que funciona? Ela embarca direitinho. Só que, de repente, você a ouve, toda animada, falar da “tchurma” do domingo e... pior, ela começa a contar das perguntas que caíram na prova de biologia! E que amanhã vai ser a de química. E que o pai dela é um velho chato, ausente, materialista, etc, etc, etc... Você nem pergunta o que ele faz e que idade tem. Você sabe. É igualzinho à sua. Maldição!

A vontade é de sumir! No dia em que inventarem, ou descobrirem a fórmula da pílula para sumir, estarão resolvidos os problemas do climatério.

Muito já se falou do climatério feminino, a menopausa. Que a mulher fica isso, isso e aquilo, que sente calorão, irritação e depressão. Que pára de menstruar, fica mais carente, insegura e enciumada. E dá-lhe terapias, atividades e incentivos para o recomeço. Elas já estão mais alertas para buscarem seus médicos, suas academias, cursos e trabalho, suas amigas e leituras, suas novas formas.

Mas... e o homem? Esse continua agindo e trabalhando como se nada fosse. Querendo mostrar serviço, na cama e fora dela, como se pouco tivesse mudado. Fica sonhando em pescar o peixe-mais-grande, aprender a tocar órgão eletrônico, ganhar na loto, trocar o carro, recuperar os cabelos perdidos... voltar a saborear os prazeres da madrugada. Dizem até que agora ele leva a noite toda para fazer, uma vez, o que antes ele fazia muitas vezes todas as noites!

Sim. O homem sofre. E tem sofrido calado, até porque não sabe lidar bem com suas transformações.

Ana Fraiman - Revista PHARMACIA - Junho 1996

Inscreva-se no Canal Ana Fraiman no Youtube para não perder nossos conteúdos em vídeo: 

 
  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.

Deixe uma resposta