“Depois que meu avô morreu, meu pai se tornou mais alegre, expansivo e até mais generoso. Minha mãe não está acreditando muito nessa mudança. Será que meu avô oprimia tanto assim o meu pai?”

A. L – João Pessoa, PB

Solidão

 

Ana Fraiman

A pior opressão não é a que nos inflige, mas a falta de liberdade interior. Parece que seu pai a reconquistou. Está cheio de vida. Animado. Ele pode ter aprendido com a morte do pai dele, por exemplo, que é duro viver e morrer só e que, se ele não for afável e acessível, as pessoas vão se afastar dele, mesmo as mais próximas, como esposa e filhos. Se seu pai foi opressivo ou não, é outro caso. O que importa é o dom de vivermos em liberdade. Nascemos dotados desse poder. Por isso, tirem você e sua mãe o pé atrás e aproveitem essa nova vida do seu pai. Porque chorar a gente pode chorar sozinho, mas alegria pede companhia.

Fonte: Coluna VELHICE da revista CLAUDIA - Por Ana Fraiman | Março/1995

VELHICE - Como conviver com essa realidade
Ana Perwin Fraiman - psicóloga, com curso de aperfeiçoamento em Gerontologia Social pelo Instituto Sedes Sapientiae, SP. e pós-graduada em Psicologia Social pela USP.

 

  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.

Deixe uma resposta