O sucesso, na maioria das vezes, é alcançado por meio do poder que temos em nossa mente. É a ferramenta que nos conduz pela vida. É pelo poder da mente que aprendemos a ser ou que nos tornamos mais flexíveis, criativos e que encontramos as soluções para as situações que vivemos.

Por Leo Fraiman*

Neuróbica
Imagem: Pixabay

Qual é a dimensão desse poder? Como desenvolvê-lo?

Leia a seguir algumas curiosidades:

  • Você já ouviu falar de gravidez psicológica? Pois é, ela existe e leva o cérebro a emitir um comando para produzir leite materno modificando a fisiologia a ponto de a pessoa sentir a barriga crescer, mesmo sem estar grávida.

  • Quem está apaixonado não sente fome; a pupila se dilata e o coração dispara só de pensar na pessoa desejada.

  • Quando estão excitados, os homens podem se tornar muito mais agressivos do que em estado relaxado.

  • Uma mãe, ao ver um filho atravessar a rua, desatentamente, é capaz de dar um salto de metros de distância para salvá-lo, algo de que ela não seria capaz em estado "normal".

  • Remédios placebo (sem valor medicinal, como pílulas de farinha ou açúcar), ao serem ingeridos por pessoas que acreditam na sua capacidade de cura, agem efetivamente no organismo, comprovando o poder da mente.

As coisas ocorrem primeiro na mente e depois na realidade externa. Assim, tudo o que se faz é produto do que se pensa. Conforme Martin Heidegger, um importante filósofo alemão, as plantas e os animais têm uma "hospitalidade natural", ou seja, têm um caminho predefinido para sua existência. Dificilmente um passarinho vai questionar se está com vontade de viver debaixo da água ou um peixe vai fazer terapia para decidir se quer voar ou se vai mesmo ficar nadando no lago em que nasceu.

No entanto, os humanos sofrem da chamada angústia existencial: algo que inquieta e direciona as atitudes, permitindo que o destino seja transformado por nós mesmos. Você está lendo este texto agora. Porém está em suas mãos o poder de parar de ler, seguir adiante ou pensar em qualquer outra coisa, como em seu quarto, em sua casa ou na comida de que mais gosta. É exatamente esse poder de determinar o foco da consciência que nos difere dos outros animais.

Não seguimos um curso predeterminado; construímos nossa história a cada pequena ação do dia a dia. O poder da mente, portanto, é ativado quando usamos essa liberdade e encaramos a responsabilidade de escrever nosso destino.

Por meio de exercícios mentais, da constante ativação da nossa capacidade mental, podemos alcançar um grau muito elevado de eficácia pessoal. A chamada neuróbica consiste em exercitar a mente com a mesma perseverança com que alongamos e desafiamos nossos músculos, tornando-a poderosa.

Há diversos exercícios que fortalecem as conexões neurais (cérebro) e colocam a cabeça para funcionar. A ideia principal é sair da rotina, que ocupa cerca de 80% do dia a dia e que, apesar de reduzir o esforço intelectual, limita o cérebro, deixando-o preguiçoso, como se funcionasse no piloto automático. Apenas para ter uma ideia, o cérebro consome cerca de 25% de nossas calorias diárias e, por isso, é que adquirimos hábitos, pois assim gastamos menos energia. Porém nem todo hábito é saudável ou eficaz.

Veja como fortalecer o cérebro:

1) Ao tomar banho, tente fazê-lo de olhos fechados ou comece a ensaboar-se de baixo para cima. Mude a mão com que segura o sabonete. Faça algo diferente.

2) Ao comer, tente mudar a maneira como você se alimenta. Nesses momentos, todos os sentidos estão ligados e ansiosos pela novidade dessa refeição. Porém, muitas vezes, insistimos em fazê-las de modo rotineiro e repetitivo. Já pensou em um "piquenique" em casa em uma tarde chuvosa de domingo? Ou até mesmo em servir sopa no copo e não no prato. Muito complicado? Ok. Mude seu lugar à mesa. Você verá a sala por outro ângulo e até mesmo a garrafa de água vai estar em outra posição. O importante é sair da rotina e mudar o funcionamento de seu cérebro, sair do piloto automático.

3) Férias são excelentes oportunidades neuróbicas, pois abrem inúmeras possibilidades. Procure novos lugares, faça novos roteiros. Explore as diferenças visuais, olfativas e auditivas que o novo lugar pode oferecer. Experimente a comida típica, as diversões locais. Use transportes coletivos e descubra locais frequentados pelos moradores da região.

4) Faça palavras cruzadas, sudoku ou outras atividades desafiadoras, como damas, xadrez ou resta um.

5) Alguns videogames são bons para desenvolver o cérebro, desde que não seja a atividade principal da vida da pessoa. Neste caso, podem até fazer mal.

6) Leia! Essa atividade é extremamente indicada, pois ao ler desenvolvemos a memória, a atenção, a concentração, o vocabulário e muitas outras funções. O cérebro de quem lê é notadamente melhor e mais forte. Isso porque as habilidades de memorização, interpretação, imaginação, entre outras, se desenvolvem mais.

7) Pratique relaxamento e/ou meditação. Essas atividades ajudam o cérebro a criar o "circuito da melatonina", uma substância que gera memórias melhores e mais duradouras, acalmam o corpo e turbinam o cérebro.

8) Crie projetos. Pode ser nas férias (se não for viajar, por exemplo) ou a qualquer momento. Desafie-se, pense em causas, ideias que poderiam trazer mudanças positivas para você e para os outros. Engajar-se em algo significativo traz forte motivação e crescimento pessoal, além de animar o cérebro com o novo e com as lições que você vai aprender.

Não esqueça: o poder da mente é quando assumimos um contrato com a vida, no qual buscamos construir uma existência pautada em nossas melhores virtudes!

*Referência: FRAIMAN, Leo. Projeto de Vida: 100 dúvidas. 1ª edição. São Paulo: Editora Esfera, 2013. [saiba+]

 

  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.

Deixe uma resposta