No termo “crise” está inserida a palavra “crie”. Pode parecer simplista essa ideia, mas, na verdade, é a mais pura percepção da vida como ela é. Crises sempre existiram e sempre vão haver.

Por Leo Fraiman*

Carreira, Crise e Desemprego
Imagem: pixabay

Há momentos em que o mercado (e a vida) está a nosso favor e aproveitamos as oportunidade, mas é preciso saber como tudo oscila, todos nós enfrentamos crises, sejam elas pessoais ou profissionais. É nessas horas que os valores, crenças e atitudes são testados, que a competência e a resiliência são acionadas e contatos fazem a diferença.

Nem tudo são sonhos fáceis de se alcançarem, assim como nem todo pesadelo dura para sempre.

O sonho é uma etapa importante da realização de qualquer projeto. É quando tudo acontece em nossa mente, o que nos faz sentir vivos. Se o sonho não for trabalhado como um compromisso, se a pessoa não lutar por quilo que quer, seu desejo poderá ficar apenas no mundo do pensamento e se tornar motivo de desilusão.

Sonhar é a primeira etapa. A segunda se chama planejamento, e a terceira, impulso de realização. Depois, há também o andamento do processo, com as mudanças, novidades e ajustes encontrados, que devem ser gerenciados pela pessoa. Finalmente, na última etapa, vem o resultado.

Saiba que, ao longo de sua carreira, às vezes será preciso recomeçar, procurar aliados, formar parcerias, rever as próprias verdades e buscar novos conhecimentos. Muitas vezes, ao final da busca, uma importante vitória será alcançada. Não há garantias. Há o caráter que vai conduzi-lo adiante com seus valores e com suas virtudes. É a vida se tornando extremamente rica quando levamos nossos sonhos a sério, afinal, lutar pelo que queremos é um sinal de amor-próprio.

Muitos jovens iniciam essa jornada pensando no que vão ganhar no futuro com determinada profissão: dinheiro, status, a admiração das pessoas. Na verdade, essa é uma visão parcial da escolha.

Não pense no que a profissão vai proporcionar, pense no que você está disposto a dar de si para que a vida devolva a você aquilo que deseja. A melhor forma de realizar esse processo com êxito é pensar em uma maneira de se tornar útil à sociedade.

Assumir a postura de querer a recompensa antes de se doar pode ser muito arriscado, já que o retorno real de uma profissão pode levar em torno de cinco a dez anos, ou até mais.

É claro que tal comportamento não se concilia muito com uma das características principais da juventude, que é querer que tudo aconteça com muita rapidez, principalmente em uma sociedade “digital” como a que estamos vivendo, que prega a ilusão de que basta apertar um botão que as coisas estão prontas. Alguns jovens acabam por acreditar que, se quiserem algo, é só entrar em um site na internet e pronto.

Para obter sucesso e satisfação profissional, você provavelmente, vai trilhar um longo caminho. Portanto, na hora de escolher uma carreira, pense: “Eu vou me sentir útil ao mundo fazendo o quê? Fabricando um novo tecido? Dando boas aulas aos alunos? Curando as pessoas? Pesquisando um novo remédio? Fabricando uma máquina que vai facilitar o trabalho de um operário em uma construção? Trabalhando na criação de entretenimento? Qual é o meu sonho na essência? Com o que desejo contribuir?”.
Se o desejo for contribuir, ser útil, a gratificação vai ser obtida ao longo do processo, não somente com o salário no final do mês ou quando você adquirir estabilidade financeira.

Seja qual for a profissão que escolher, você vai ter de dar muito de si. É aí que, muitas vezes, os jovens se enganam, pois esquecem que antes do sucesso vem o trabalho. E sucesso vem antes de trabalho somente no dicionário.

Na vida real, a gente “engole muito sapo”, passa muito tempo em busca da pepita de ouro, e o processo até encontra-la é demorado. Aliás, uma das grandes diferenças entre os que chegaram lá e os que não chegaram é que os primeiros devem ter mantido a paciência, a perseverança e a dedicação à causa que escolheram.

Um ditado popular antigo é válido nessa situação: “o dedo aponta para a lua. O sábio olha para a lua. O tolo olha para o dedo”. Olhe para seus sonhos com olhos de águia e construa em seu interior a esperança necessária. Conte com você mesmo. Isso já é muito, pode acreditar.

*Referência: FRAIMAN, Leo. Projeto de Vida: 100 dúvidas. 1ª edição. São Paulo: Editora Esfera, 2013. [saiba+]

  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.

Deixe uma resposta