Conselhos de uma avó

Conselhos de uma avó

1. TUDO QUE ACONTECE É PARA O BEM
Tudo que acontece na vida termina por se mostrar a nosso favor, porque absolutamente tudo, por mais terrível que seja no momento, nos leva a crescer e a amadurecer. Mesmo a partir da maior dor, do inimaginável, a vida nos levará a diferentes lugares e situações, nos mostrará coisas, nos colocará próximos a boas pessoas e, sim, nos fará melhores, como pessoas.
Não tenha medo de tentar algo novo e errar feio. O fracasso não existe. O que existe é um resultado diferente daquele que imaginamos ao começar. O que se tem, após, é um ganho de conhecimento muito maior para tentar novamente. Ou decidir partir para outro projeto.
Ao final e, de qualquer forma, tudo faz parte do plano que a vida tem para cada um de nós. O que precisamos é burilar os acontecimentos e aprendermos a amar, sem qualquer senão. Quem ‘manda’ é a vida, não a pessoa.

Continue lendo

Idosos incluídos no Universo Digital

Uma proposta de alfabetização digital

Estas minhas considerações nascem inspiradas por um trabalho acadêmico realizado pelas colegas Maristela Compagnoni Vieira e Dra. Lucila Maria Costi Santarosa, desenvolvido em meio ao Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

idoso digitais

Logo que li o resumo deste estudo, que ‘analisa as motivações, necessidades e interesses de idosos com relação ao uso de tecnologias como o computador e a Internet’ (sic), observei que as autoras abordaram aspectos nucleares daquilo que neste momento passo a veicular em minha pré-campanha para Vereadora: futuramente: um mecanismo social, uma lei municipal, que faculte o uso extensivo e mais amplamente difundido destes recursos técnicos por parte dos idosos.

Continue lendo

Os idosos e a cadeira de balanço

"Minha irmã sente falta de sua cadeira de balanço, quando fica lá em casa. Porque será que as pessoas idosas gostam tanto de se balançar?"

Por Marli Bruguera, São Paulo (SP)

Os idosos e a cadeira de balanço

Ana Fraiman

O balanço, assim como o auto-embalo, suave, rítmico, provoca um certo relaxamento de tensões e alívio de ansiedades. Desde cedo somos embalados (ah, o doce aconchego do colinho da mamãe!) e logo observamos o divertimento das crianças nas gangorras, nos cavalinhos, no berço. Os jovens balançam nas discotecas, os namorados nos barquinhos, os adultos nas redes e todos juntos quando cantam unidos…

Continue lendo