15 SEGREDOS para uma vida longa e feliz

SEGREDOS DE UM LENDÁRIO MÉDICO JAPONÊS QUE TEM HOJE, em 2016, 103 ANOS.

O Dr. Shigeaki Hinohara é conhecido por ser um dos educadores com mais anos de experiência, em seu ofício, já que desde 1941 se dedica a tratar de pacientes no Hospital Internacional St. Luke’s, em Tóquio.

Dr. Shigeaki Hinohara
Imagem: hubpages.com

Desde que completou seus 75 anos de idade este profissional publicou 15 livros, incluindo um chamado Vivendo muito, vivendo bem, que vendeu mais de 1.2 milhões de cópias em todo mundo. Como fundador do Novo Movimento da Terceira Idade, Hinohara estimula a todas as pessoas a viver vidas longas, plenas e felizes, algo em que ele parece ser perito. São estas, as chaves para sermos bem sucedidos nisso:

Continue lendo

O sentimento de felicidade aumenta com a idade

Chega de preconceito. À luz das novas pesquisas longitudinais, a relação entre idades avançadas e tristeza, acabrunhamento, não se faz presente nem constante. Achar que velho é chato e ranzinza não passa de puro preconceito.

O sentimento de felicidade aumenta com a idade

Muito pelo contrário, o que se verifica é que os mais velhos sentem-se melhor e mais em paz consigo mesmos, sabendo aproveitar mais das coisas simples da vida.

Ainda que isso possa soar meio paranoico, as pessoas realmente são mais felizes à medida que envelhecem. Ainda que muitas coisas em nossas vidas piorem com o tempo, o curioso é que em muitos aspectos as pessoas começam a se sentir melhor.

Um estudo realizado com um grupo de 1.500 participantes, com idades compreendidas entre 21 e 99 anos, realizado em São Diego, na Califórnia, Estados Unidos, constatou que as pessoas mais estressadas e deprimidas de todo o grupo eram aquelas que estavam em seus vinte anos. Da sua parte, as de noventa se mostraram mais felizes.

Os investigadores também observaram uma consistência notável em seus resultados: os mais velhos, além de se sentirem mais felizes e estarem em paz consigo mesmos, eram menos deprimidos e sofriam de menos ansiedade e estresse.

Segundo eles, isto se deve a certas qualidades que nos fortalecem à medida em que amadurecemos e envelhecemos: a empatia, a compaixão, o autoconhecimento, a abertura a novas ideias, a firmeza e a estabilidade emocional.

Outra razão que, geralmente leva pessoas mais velhas a serem mais felizes, é a sua confiança. Dois estudos em grande escala, realizados na Universidad de Northwestern e, na Universidad de Buffalo, mostraram evidências concretas ara isso.

O primeiro estudo, realizado ao longo de um período de 30 anos e com uma enorme amostra de 200.000 pessoas de 83 diferentes países e, o segundo estudo, com uma amostra bem menor, de 1.230 pessoas, distribuídas em diferentes grupos de idade, observaram haver relação estreita entre a confiança e a idade, chegando as mesmas conclusões: as pessoas se tornam mais confiantes à medida que envelhecem, o que resulta em sensação de maior felicidade.

Com a idade, há uma forte tendência a ver o lado positivo da vida e aumenta a capacidade de enxergar o melhor de cada pessoa com quem se relacionam, bem como serem mais tolerantes.

Em 2015, um estudo realizado pelo Instituto Gallup-Heathways, mapeou mais de 173.000 pessoas nos Estados Unidos. Os participantes com mais de 55 anos apresentaram um índice mais elevado de bem estar econômico. Cerca de 52% deles, também disse considerarem-se mais ‘prósperos’, em contraste com 32% dos participantes com idades abaixo dos 55 anos.

Por outro lado, os mais velhos, acima dos 55, comiam melhor, sua alimentação era mais saudável que a dos mais jovens. Ainda mais interessante foi a descoberta de que o níveis de depressão e de obesidade se reduziam drasticamente depois dos 64 anos.

Investigadores da Universidad del Noreste e o Instituto de Tecnología da Georgia realizaram estudos cognitivos e concluíram que as pessoas mais velhas tendem a se concentrar nos estímulos e nas memórias e recordações mais felizes. Acredita-se que os processos cognitivos os ajudam a regular melhor suas emoções e a enxergar a vida a partir de uma perspectiva mais positiva.

Outra diferença marcante é que os jovens buscam aventuras mais memoráveis, enquanto ao mais velhos sentem-se contentes com as coisas do seu dia a dia.

Enquanto a maioria dos mais jovens está preocupada com as coisas que vão fazer, como: férias, planos de fim de semana etc, os mais velhos gozam das coisas simples da vida, coisas que os ajudam, como ajudariam a todos, a estar em paz consigo próprios.

Texto traduzido e editado por Ana Fraiman

Fonte: TudoporEmail

  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.
Cuidadores de Idosos

8 conselhos para Cuidadores de Idosos (familiares e profissionais)

CHEGA DE SE SENTIR IMPOTENTE!

O sentimento de impotência é moeda de pouca importância e nenhuma valia. Num dos lados afirma a ‘coitadice’ de quem cuida. De outro, reafirma sua incapacidade de aceitar e aprender a lidar com a nova realidade.

Cuidadores de Idosos
(Cuidadores de Idosos) Imagem: Pixabay

As coisas mudaram? Mudaram. E vão mudar mais ainda. Se o cuidador, familiar ou profissional contratado permanecer grudado, colado no paciente demenciado, vai levar a coisa como se a doença fosse sua. E o risco de ficar pior do que o próprio doente é muito alto! Cuidem-se, portanto, para não ficarem pior que o doente. Uma coisa é assumir a responsabilidade de ajudar o doente a viver melhor! Outra é se valer desta responsabilidade para se martirizar.

Continue lendo

25 dicas para viver por muito mais tempo

 

Longevidade precisa andar de mãos dadas com a felicidade. Adotar algumas destas sugestões resulta em um estilo de vida melhor: viva mais, sendo também mais feliz, até além do 100 anos.

Viver muito mais tempo

1. Aja de acordo com a sua consciência
No livro "O Projeto Longevidade", Howard Friedman e Lesley Martin detalham os resultados de seu estudo sobre nosso estilo de vida. Uma de suas conclusões mais reveladoras é: pessoas que vivem a maior parte de suas vidas em paz consigo mesmas e que, sempre seguiram seu coração, sofrem menos estresse, tensão e doenças. Também foram mais bem sucedidas em sua vida amorosa e carreiras.

2. Encontre razões para rir
Em um estudo de 2012, um grupo de 243 idosos que viveram até 100 anos ou mais tiveram duas características principais em comum: o amor pelas risadas. "Eles consideravam a risada uma parte importante da sua vida", diz o chefe da pesquisa, Kaori Kato. Outras características em comum: receptividade e extroversão, sendo o riso, de fato, uma parte inseparável de suas vidas.

Continue lendo

10 fantásticos benefícios do Riso

Já ouviu a expressão "rir é o melhor remédio"? E é mesmo! O riso tem-se mostrado um alívio para a dor, minimiza as chances de ficarmos doentes e, obviamente, é um poderoso estimulante do humor.

10 fantásticos benefícios do Riso

1. Redução da agressividade
Às vezes sentimos vontade de “chutar o pau da barraca”, e mandar tudo às favas, juntamente com a vontade de agarrar alguém pela garganta. É normal. Porém, quando estamos a ponto de perder o controle, devemos fazer uma pausa e rir. O Dr. Fran Walfish, terapeuta de relacionamentos, diz: - O riso relaxa o corpo e alivia o estresse. Também é uma liberação saudável aceitável dos impulsos agressivos. O som do riso pode equivaler-se ao grito. Há um alívio. O riso é um benefício extra, que nos ajuda a lidar com as preocupações diárias. Rir da gente, mesmo, é espetacular. Pesquisas demonstram que o riso reduzir os níveis de cortisol e adrenalina, que são os hormônios do estresse.

2. Redução do estresse
Quando você sentir que o estresse está ficando fora de controle e começa a sobrecarrega-lo, encontre um motivo para rir. Isso ajudará você a relaxar física e mentalmente: assista a uma comédia, veja alguns vídeos divertidos no YouTube ou leia textos cômicos. Brincar com cachorrinhos nos faz rir, também.

Continue lendo