Nos tempos corridos de hoje, é preciso aprender a cobrar dos amigos o afeto que lhes damos, para não ficarmos carentes.

Nesses nossos tempos modernos precisamos, e muito, de uma forte rede de relações de amizade. Quase tudo o que nos cerca nos conduz à solidão e à carência afetiva.

Amizade
Imagem: Pixabay (Amizade)

Aquela coisa gostosa de fazer o chá da tarde, bater papo por cima do muro ou debruçada na janela é mais típica do modo de vida de nossas avós, talvez mães. Hoje a mulher trabalha fora e suas amigas também. Ninguém consegue se ver com a frequência que gostaria. Tendo que nos dividir entre os cuidados com a casa e a família, além do trabalho, o que fica precário é nosso círculo de amizades.

Isso pode levar a um grande sentimento de solidão e insegurança, a um ponto perigoso de, numa emergência, não temos a quem recorrer. Numa gripe, numa hospitalização, são muitas as mulheres que se veem absurdamente sós, sem ter qualquer companhia, a não ser que… peçam!

Susana vai ser operada numa terça-feira de manhã. Uma semana antes, pega o telefone e vai ligando amiga por amiga, compondo uma agenda de quem poderá ficar com ela em que dia e a que horas. Todas têm mil compromissos. Mas Celina desiste, de boa vontade, de levar a filha à aula de inglês para fazer companhia à amiga na terça à tarde.

Corina ia fazer supermercado na quarta de manhã, mas deixa para outro dia. Naíde tinha uma consulta média, troca o horário. Leninha promete sair mais cedo do trabalho e ficar com Susana na sexta.

Essas mulheres, ocupadas, ativas, estão reaprendendo, com esse gesto, alguma coisa nova sobre a amizade. Por que, com raríssimas exceções, já não dá mais para largar tudo e sair correndo, disponível, para socorrer uma amiga em dificuldades.

Tem-se amigas, mas coisas passam, importantes, e não se fica sabendo, às vezes só se sabe depois. Além de tudo, porque uma não quer incomodar a outra enquanto puder resolver tudo sozinha. Todas trabalham, têm casa e filhos, dentista, ginástica, cartomante, psicoterapia. Mal têm tempo para cuidados pessoais (os cabelos são tingidos à noite ou aos domingos) e só vão a médicos que respeitem horários – de preferência que atendam durante o almoço ou após as 9 h da noite.

Na falta de empregada usam congelados, descobrem uma lavanderia fantástica (bem no caminho!), estão exaustas ao cair da tarde e vão levando. Mas, apesar de só conseguirem manter as amizades via telefone, trazem ainda na alma o desejo de ter toda a família almoçando junta durante a semana e a ilusão de que seus desejos serão adivinhados, suas necessidades satisfeitas. E como, então, se tornam carentes!

Dizem:

“Pedir, eu? Eu não peço. Se o meu marido (ou filho, ou amiga)se tocar e fizer espontaneamente, tudo bem. Mas pedir, não. Acho humilhante ter que pedir uma coisa óbvia, que deveria vir de graça. Pois quando eu percebo a necessidade de alguém não vou lá e ajudo, sem esperar que me peçam? Então, por que os outros não podem fazer isso por mim?”

E é ai que está montada um das maiores armadilhas para alguém se tornar uma pessoa carente, revoltada e solitária. Se a Gata Borralheira podia se dar ao luxo de chorar na calada de noite, e ser ouvida por uma Fada Madrinha, é bom saber que já não vivemos mais nesses tempos em que quem nos ama deve adivinhar e entender os nossos desejos, sem que movamos uma palha para isso.

Você pode estar pensando: “Mas será que tenho o direito de solicitar alguma coisa a alguém que não vejo há tanto tempo, em cuja festa de aniversário nem fui?”

Tem, sim. Uma verdadeira amiga é aquela que compreende isso. Que a gente falha com ela, ela falha com a gente, mas em ocasiões mais apertadas uma pode contar com a outra. Ser amiga, hoje em dia, não é estar disponível o tempo todo.

Amizade tem limites – se não tiver, é subserviência.

A boa amiga pode pedir e deve estar preparada para ouvir tanto um sim como um não. E também não deve pedir mais do que a outra está disposta a dar naquele momento. Pede-se o que se precisa, dá-se o que se tem, de boa vontade, sem sacrifícios.

Às vezes a boa amiga é a que diz “Não quero fazer tal coisa por você, não concordo com isso” e explica as razões, e não a que diz “Não posso”, inventa uma desculpa e sai por ai conduta da outra. E às vezes é hora de, em vez de dizer “Imagine, não é trabalho nenhum”, assumir claramente: “Sim, isso que você pede vai dar trabalho, mas faço com prazer porque gosto de você. E também por que espero que, se eu precisar um dia, você faça o mesmo por mim.”

Cobrar? Sim, cobrar também. Se numa amizade você começa a sentir-se explorada, sugada, abusada, em geral é porque… está sendo mesmo! Temos uma espécie de “fato”. Mesmo sem conseguir definir exatamente como, onde e quando os abusos acontecem, sabemos que eles acontecem.

Nossa tendência é achar que é implicância, falta de humanidade, e ceder em nome da amizade, desagradáveis (“Imagine se ela faria uma coisa dessas”, ou “Coitada, ela está em crise, desempregada, grávida, atormentada pelo marido” etc). Até que, depois de muitas concessões (presença, favores, dinheiro), se chega ao “E eu? Sempre que ela precisa eu digo sim, quando sou eu que peço ela nunca pode”.

Daí para uma ruptura é um passo. Assim terminam muitas amizades antigas, que eram mantidas pelo esforço de somente uma das partes. Aparentemente a de maiores recursos (alto-astral, posição, dinheiro, família, trabalho), porém no fundo a mais carente, a que morre de medo de, ao dizer um não, ficar só.

Essas pessoas geralmente viveram, na infância, profundas experiências de rejeição e abandono por parte dos pais. Ou então eram auto-suficientes e pouco reivindicativos, aquelas filhas que “não dão trabalho”, que “se criam sozinhas”…

É provável que esse senso de responsabilidade precocemente desenvolvido prive a criança e, mais tardem a adolescente, da experiência de se ver apoiada, protegida, levando a uma personalidade adulta em que o receber causa desconforto íntimo, como se fosse algo errado ou indevido. Receber fica associado a fragilidade e dependência, duas atitudes a serem evitadas, a não ser em casos de extrema necessidade.

Isso faz com que a pessoa vá acumulando carências, fique ressentida no dia-a-dia, apesar de desenvolver uma auto-imagem de quem-não-precisa-de-nada. É alguém que sabe ouvir um não com um sorriso nos lábios, mas que no fundo se sente muito ferida – não só frustrada, mas desqualificada. Afinal, se dificilmente pede alguma coisa (pois lhe é difícil receber), quando pede é porque precisa muito, e um não nessa situação é mesmo intolerável.

Então a questão é pedir e cobrar, sim. E esperar de volta tanto quanto se dá. Isso não quer dizer ser mesquinha e só viver na base do toma-lá-dá-cá, mas sim de manter o balanço dar/receber em equilíbrio dinâmico, bem distribuído. É comum ouvir alguém dizer: “Será que estou querendo muito? Só estou pedindo um mínimo de respeito e consideração!” Se é isso que essa pessoa pede, é isso que ela vai ter: um mínimo!

Nas questões humanas há que se pedir e cobrar um máximo de consideração e respeito, pagando na mesma moeda.

Cobrar a presença dos filhos em ocasiões importantes (mesmo que eles não gostem; afinal, quem é que só faz o que gosta na vida?), cobrar certas atenções do marido ou um favor especial de uma amiga significa zelar para que, continuamente, se tenham qualidade e satisfação nas relações – para todas as partes envolvidas.

Quem se dá conta das suas carências e não fica esperando que alguém compareça para resgatá-la da solidão, mas, pelo contrário, aprende a pedir e se dá a liberdade de receber, sem sentir-se humilhada por estar fazendo um pedido justo, está promovendo uma verdadeira revolução antiautoritarismo nas relações humanas.

A pessoa que é contemplada com um pedido da amiga sente-se valorizada e feliz por poder colaborar. Sente-se útil e necessária. Não é isso o que todos nós queremos? E se, frente a um pedido justo, recebemos um não, é porque esse não também é justo – ou, então, a pessoa não é nossa amiga. Daí, é hora de fazer novas amizades.

Idosas Vaidosas

"Não sei o que devo dar de presente para uma amiga já bem velhinha, mas que também é muito vaidosa. Tenho a sensação de que ela tem de tudo."

Silvana Araújo Fortaleza (CE)

Idosa Vaidosa
Imagem: Pixabay

Ana Fraiman

Na linha do vestuário, Observe-a e procure comprar alguma peça no estilo das que ela usa e gosta. Não faz mal que ela ganhe algo que já tem. Mulher vaidosa gosta de variar nas cores e padrões, mesmo as mais idosas. A linha de cosméticos procure os cremes amaciantes para as mãos e hidratantes para o rosto.

Continue lendo

Como ter uma boa vida?

Recomendo este vídeo sobre uma pesquisa científica que estudou a vida de quase 700 homens dos 15 aos 75 anos.

Ele conclui sobre o que é mais importante na vida para envelhecer com saúde e felicidade!

Lições do mais longo estudo sobre a felicidade | Robert Waldinger

  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.

15 SEGREDOS para uma vida longa e feliz

SEGREDOS DE UM LENDÁRIO MÉDICO JAPONÊS QUE TEM HOJE, em 2016, 103 ANOS.

O Dr. Shigeaki Hinohara é conhecido por ser um dos educadores com mais anos de experiência, em seu ofício, já que desde 1941 se dedica a tratar de pacientes no Hospital Internacional St. Luke’s, em Tóquio.

Dr. Shigeaki Hinohara
Imagem: hubpages.com

Desde que completou seus 75 anos de idade este profissional publicou 15 livros, incluindo um chamado Vivendo muito, vivendo bem, que vendeu mais de 1.2 milhões de cópias em todo mundo. Como fundador do Novo Movimento da Terceira Idade, Hinohara estimula a todas as pessoas a viver vidas longas, plenas e felizes, algo em que ele parece ser perito. São estas, as chaves para sermos bem sucedidos nisso:

Continue lendo

O sentimento de felicidade aumenta com a idade

Chega de preconceito. À luz das novas pesquisas longitudinais, a relação entre idades avançadas e tristeza, acabrunhamento, não se faz presente nem constante. Achar que velho é chato e ranzinza não passa de puro preconceito.

O sentimento de felicidade aumenta com a idade

Muito pelo contrário, o que se verifica é que os mais velhos sentem-se melhor e mais em paz consigo mesmos, sabendo aproveitar mais das coisas simples da vida.

Ainda que isso possa soar meio paranoico, as pessoas realmente são mais felizes à medida que envelhecem. Ainda que muitas coisas em nossas vidas piorem com o tempo, o curioso é que em muitos aspectos as pessoas começam a se sentir melhor.

Um estudo realizado com um grupo de 1.500 participantes, com idades compreendidas entre 21 e 99 anos, realizado em São Diego, na Califórnia, Estados Unidos, constatou que as pessoas mais estressadas e deprimidas de todo o grupo eram aquelas que estavam em seus vinte anos. Da sua parte, as de noventa se mostraram mais felizes.

Os investigadores também observaram uma consistência notável em seus resultados: os mais velhos, além de se sentirem mais felizes e estarem em paz consigo mesmos, eram menos deprimidos e sofriam de menos ansiedade e estresse.

Segundo eles, isto se deve a certas qualidades que nos fortalecem à medida em que amadurecemos e envelhecemos: a empatia, a compaixão, o autoconhecimento, a abertura a novas ideias, a firmeza e a estabilidade emocional.

Outra razão que, geralmente leva pessoas mais velhas a serem mais felizes, é a sua confiança. Dois estudos em grande escala, realizados na Universidad de Northwestern e, na Universidad de Buffalo, mostraram evidências concretas ara isso.

O primeiro estudo, realizado ao longo de um período de 30 anos e com uma enorme amostra de 200.000 pessoas de 83 diferentes países e, o segundo estudo, com uma amostra bem menor, de 1.230 pessoas, distribuídas em diferentes grupos de idade, observaram haver relação estreita entre a confiança e a idade, chegando as mesmas conclusões: as pessoas se tornam mais confiantes à medida que envelhecem, o que resulta em sensação de maior felicidade.

Com a idade, há uma forte tendência a ver o lado positivo da vida e aumenta a capacidade de enxergar o melhor de cada pessoa com quem se relacionam, bem como serem mais tolerantes.

Em 2015, um estudo realizado pelo Instituto Gallup-Heathways, mapeou mais de 173.000 pessoas nos Estados Unidos. Os participantes com mais de 55 anos apresentaram um índice mais elevado de bem estar econômico. Cerca de 52% deles, também disse considerarem-se mais ‘prósperos’, em contraste com 32% dos participantes com idades abaixo dos 55 anos.

Por outro lado, os mais velhos, acima dos 55, comiam melhor, sua alimentação era mais saudável que a dos mais jovens. Ainda mais interessante foi a descoberta de que o níveis de depressão e de obesidade se reduziam drasticamente depois dos 64 anos.

Investigadores da Universidad del Noreste e o Instituto de Tecnología da Georgia realizaram estudos cognitivos e concluíram que as pessoas mais velhas tendem a se concentrar nos estímulos e nas memórias e recordações mais felizes. Acredita-se que os processos cognitivos os ajudam a regular melhor suas emoções e a enxergar a vida a partir de uma perspectiva mais positiva.

Outra diferença marcante é que os jovens buscam aventuras mais memoráveis, enquanto ao mais velhos sentem-se contentes com as coisas do seu dia a dia.

Enquanto a maioria dos mais jovens está preocupada com as coisas que vão fazer, como: férias, planos de fim de semana etc, os mais velhos gozam das coisas simples da vida, coisas que os ajudam, como ajudariam a todos, a estar em paz consigo próprios.

Texto traduzido e editado por Ana Fraiman

Fonte: TudoporEmail

  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.

10 fantásticos benefícios do Riso

Já ouviu a expressão "rir é o melhor remédio"? E é mesmo! O riso tem-se mostrado um alívio para a dor, minimiza as chances de ficarmos doentes e, obviamente, é um poderoso estimulante do humor.

10 fantásticos benefícios do Riso

1. Redução da agressividade
Às vezes sentimos vontade de “chutar o pau da barraca”, e mandar tudo às favas, juntamente com a vontade de agarrar alguém pela garganta. É normal. Porém, quando estamos a ponto de perder o controle, devemos fazer uma pausa e rir. O Dr. Fran Walfish, terapeuta de relacionamentos, diz: - O riso relaxa o corpo e alivia o estresse. Também é uma liberação saudável aceitável dos impulsos agressivos. O som do riso pode equivaler-se ao grito. Há um alívio. O riso é um benefício extra, que nos ajuda a lidar com as preocupações diárias. Rir da gente, mesmo, é espetacular. Pesquisas demonstram que o riso reduzir os níveis de cortisol e adrenalina, que são os hormônios do estresse.

2. Redução do estresse
Quando você sentir que o estresse está ficando fora de controle e começa a sobrecarrega-lo, encontre um motivo para rir. Isso ajudará você a relaxar física e mentalmente: assista a uma comédia, veja alguns vídeos divertidos no YouTube ou leia textos cômicos. Brincar com cachorrinhos nos faz rir, também.

Continue lendo