Ter estado no topo não significa voltar ao topo

Para você voltar ao mercado numa boa colocação, além dos quesitos específicos para seu bom desempenho e de seu vasto currículo, deverá estar alinhado com a nova linguagem do mundo organizacional.

Aposentado de volta ao trabalho
shutterstock

“Quando eu ocupava o cargo de diretor financeiro de uma grande montadora, tinha duas secretárias diretas, além das demais, que nos serviam nas ocasiões em que o volume de trabalho aumentava. Todos ali tínhamos a maior dedicação e vezes sem conta permanecíamos, muito além do horário, em intermináveis reuniões. Claro que, algumas delas, ineficientes. Mas éramos uma equipe e todos colaboravam. Hoje estou trabalhando numa pequena empresa familiar.

Não fui treinado para isso. Não há equipe. Há os donos, eu e uma única secretária para todos. Então, sou eu mesmo que tenho que desenhar as planilhas. Perco um tempo danado! Sinto-me inoperante. Acostumei-me com a ação. Hoje, sinto que cumpro ordens. Além do que, ganho um terço do que ganhava antes. Minha esposa e meus filhos dizem que estou melhor, mais conversável, menos estressado. Mas dentro de mim, não consigo conviver bem com a nova situação. Sinto que perdi tudo aquilo pelo qual lutei a minha vida toda.”

Continue lendo

Aposentados bem qualificados no mercado de trabalho

O mais provável é que, num novo emprego, seu chefe sinta-se ameaçado por você. Ou que você se sinta atemorizado por uma chefia mais jovem e mais bem preparada.

Trabalhador Aposentado
Foto Ilustrativa: Pixabay

“É engraçado observar como o meu gerente me olha torno. Parece que tem medo de mim, de ser reprovado, sei lá o quê. Imagine, eu ter que pedir para a firma comprar um rolinho de papel de fax e o cara tirar do bolso o dinheiro para eu ir comprar. Não é que eu não possa fazer isso, mas é constrangedor para os dois. Os donos dão para ele um certo dinheiro, semanalmente e, quando acaba, quando não tem o suficiente, o serviço para, porque ele não pode pedir mais. Os donos não dão. Então, o serviço para. Você já viu isso?! O serviço para. Acho que eu também faço cara de quem não gostou. Só que eu não vejo a minha cara. Só vejo a dele. E é dose! Tive que aprender a andar no ritmo deles, mas não consigo deixar de pensar que estou trabalhando numa firmeca de merda. Fazer o quê? Foi o que me apareceu. E dadas as circunstâncias, nem tenho do que reclamar, já que ainda consigo ganhar algum...”

Continue lendo

Aposentado empreendedor

O seu negócio seja qual for, vai sugar suas economias. Pense bem. E se você imagina trabalhar menos ao se aposentar, não abra um negócio próprio!

Aposentado empreendedor
Imagem Ilustrativa : Pixabay

"Logo vamos ter que sair daqui. Não está dando mais para manter os preços, a freguesia baixou pela metade. E o barulho, ficou simplesmente insuportável. Ninguém nos avisou que esse trecho todo haveria de ficar interditado por meses a fio. Os buracos, a direção das ruas... Você reparou na bagunça de trânsito, que está por esses lados?! O pessoal não quer mais vir até aqui. E, mesmo aqueles que vêm à pé, quem é que quer almoçar com esse barulhão todo martelando na cabeça? Eles têm razão. Mas fazer o quê? Vamos ter que começar tudo de novo. E a gente não sabe o quê."

Waldemar abriu um pequeno restaurante "por quilo" de comida árabe, numa rua muito bem situada num bairro nobre da capital. Logo atraiu enorme freguesia. Estava indo mais do que bem, dando um excelente retorno, até que foram colhidos por uma obra da prefeitura.

Continue lendo

Aposentar-se

Aposentar-se não é fácil.

Você precisa conviver com esta ideia desde quando começar a trabalhar.

Aposentar-se
Imagem: Pixabay

"Primeiro vou pagar minhas dívidas e ajudar meu filho a terminar a casa dele. Depois, com os dois mil, dois e quinhentos que sobrarem, vou comprar um freezer, desses deitados e vender sorvete. De porta em porta? Não. Vou abrir a frente da minha casa, que nem a minha cunhada fez e vender de lá mesmo. Ela está tirando um bom dinheiro e eu acho que também vou tirar, porque lá no meu bairro não tem sorveteria, não. Daí vai ter e eu vou ganhar."

Continue lendo

Envelhecer

Maturidade: O tempo é agora

Com certeza um dos indicativos da crise da maturescência e a sensação de premência com relação ao Tempo. Num dado momento o horizonte temporal se estreita, gerando um sentimento de “não dá mais”, “passou da hora” ou “não é mais para mim”; noutro momento, o horizonte temporal se alarga: “E agora ou nunca mais!”

Envelhecer
Imagem: Pixabay

Já suficientemente experiente para saber de seu próprio valor, mas não tão vivida, a pessoa começa a se embaralhar em seus planos e expectativas, sem saber direito o que quer da vida. Tudo e questionável. As relações familiares ficam tensas. É muita transformação. Filhos crescidos e pais envelhecidos. Não raro passam a conviver, sob o mesmo teto, quatro gerações. Nesse momento específico da vida, na passagem da maturidade para a meia idade, as perguntas mudam, face as respostas que já foram dadas.

Continue lendo

Aposentado Superbonder

As esposas dizem preferir que seus maridos passem ‘‘um tempo em casa e um tempo fora de casa”. Grande parte delas, senão a maioria, acredita que assim o casamento adquire um bom equilíbrio, cada qual desenvolvendo sua vida própria. A fórmula para uma convivência mais acolhedora e flexível é: “cada um no seu quadrado” e, em algumas circunstâncias, estar e decidir alguma coisa junto.  

Aposentado Superbonder
Imagem: Pixabay (Editado)

Afirmam, inclusive, que um homem se torna muito mais atraente “quando não está lá, o tempo todo”. Com certeza, reclamam e, até mesmo afirmam passar a desrespeitar, aquele que adere total e incondicionalmente à esposa, a ponto de “não deixa-la respirar”.

Continue lendo

Sobrenome Corporativo após a Aposentadoria

A temporada após a aposentadoria e, mais, com o seu desligamento da empresa, vai ser um tempo em que você vai se decepcionar bastante. Acredite.

Sobrenome corporativo
Imagem: Pexels

José Carlos, 68 anos, até então diretor de marketing de uma empresa de publicidade que tem contas milionárias, vivia uma vida glamorosa, excitante, cheia de emoções. Gozava de vários poderes: tomava decisões importantes, estratégicas, estava por detrás da negociação de contas vultuosas, influía nas campanhas e se dava com clientes e fornecedores que o assediavam, diariamente, com prêmios, presentes, ofertas quase irrecusáveis, como viagens internacionais “para estar presente aos sets de filmagem, para pesquisar novos mercados, prospectar clientes, fazer benchmarketing”. Mesmo que declinasse deles, em quase que sua totalidade, recebendo-os somente em nome da empresa e quando fosse de total conveniência para a mesma, em inúmeras oportunidades foi o centro das atenções, usufruindo de todo o prestígio que o cargo lhe emprestava. Mesmo dizendo saber tudo isso não se dirigia a sua pessoa, mas a seu cargo, à hora em que se afastou, viu-se sofrendo pela falta do assédio e das oportunidades de aproveitar do bom e do melhor, compatível com seu alto cargo e com o volume de negócios que trazia para a empresa.

Continue lendo