Fundamentos de um P.P.A.

Programa de Preparação para uma Aposentadoria Sustentável

Vivemos num país que terá de enfrentar uma realidade inédita de envelhecimento da população, mas que ainda mantém valores que incentivam projetos de futuro desenvolvidos a partir de uma visão de curto prazo e o imediatismo consumista juvenil.

Aposentadoria Sustentável

Ao enfrentar esse envelhecimento populacional, ainda não terá solucionado as graves questões da ausência de políticas públicas eficazes, no que se refere à saúde, educação, cultura e moradia, portanto, responderá muito mal às demandas das famílias urbanas e verticalizadas, formadas por cinco gerações.

O nosso trabalho, na área de preparação para uma aposentadoria sustentável, produz uma necessária reflexão acerca do desafio de possibilitar manter e sustentar a honra e a dignidade do trabalhador nas várias etapas de sua vida. Vai, porém, mais além, se assentando numa cultura que contempla uma longevidade saudável e produtiva para todos, cultura essa que se instala a partir do ingresso no mercado de trabalho.

Em especial, no que diz respeito aos poucos anos que se constituem na fase pré e pós-aposentadoria, promove a atualização e a troca de conhecimentos, que resultam na tomada de atitudes que são necessárias para a construção de uma aposentadoria bem sucedida, mas não se restringe somente a esses poucos anos: alarga seu alcance, possibilitando a que jovens trabalhadores sejam beneficiados por posturas positivas e colaborativas por parte dos mais velhos, enquanto também os beneficiam com suas forças e seus saberes renovados.

Continue lendo

Assédio moral: uma das formas de violência no trabalho que se tornou um problema de saúde pública.

assedio-moral-trabalho

No contexto das novas estruturas e dinâmicas de trabalho o assédio moral vem tomando uma dimensão cada vez maior, nas empresas tanto públicas, como privadas, tendo se constituído num problema complexo de múltiplas causas, sendo simultaneamente humano, social e econômico, que atinge não só a pessoa e sua rede de relacionamentos próximos – família, filhos e cônjuges – como também colegas de trabalho, a parte empregadora e o próprio governo, pelo ônus saúde, que o assédio moral acarreta.

O assédio moral se caracteriza pela prática de atos hostis, mais ou menos explícitos, ocorridos intencionalmente no ambiente de trabalho. Estes atos são praticados por um ou mais assediadores, e deterioram as condições de trabalho: atingem o clima organizacional, a confiança nos relacionamentos, a aceitação do poder e da palavra das autoridades que representam a empresa e, mesmo, a confiabilidade em relação à qualidade dos materiais empregados na confecção dos serviços e do trabalho prestado, por uma ou mais vítimas da conduta de assédio moral.

A conduta de assédio moral visa atingir a integridade psicológica e/ou física da vítima, minando seus direitos e sua dignidade, podendo alterar seu estado de saúde de forma grave e prejudicar seu desenvolvimento profissional e, até mesmo chegando a interromper sua carreira, tirando-a de sua profissão. Ao atingir a vítima existe, ainda a intenção de excluí-la do grupo, do ambiente, de suas funções, da própria empresa, fazendo-a sentir-se inferior e inadequada, de tal forma que nada do que ela tente ou proponha resulte positivamente. Ou ainda levá-la à auto-exclusão, como última forma de enfrentamento às terríveis perseguições sofridas.

Continue lendo