A qualidade dos cuidados que familiares e cuidadores dispensam têm forte impacto na saúde física e mental do idoso, especialmente quando ele já está mais vulnerável ainda.

Alzheimer
Imagem: pixabay

Muitos dos familiares não se dão conta, nem assumem que isso aconteça e outra grande parcela não acredita que suas atitudes sejam determinantes no aceleramento e agravamento das doenças de longa duração.

Veja também: Psicologia do Envelhecimento com foco na Doença de Alzheimer

Vamos ver o que têm a ver as crenças dos pais sobre suas próprias atitudes e impactos que elas podem causar nas crianças desde a mais tenra infância, com as atitudes e crenças que os filhos têm em relação aos seus pais demenciados.

Examine o quadro abaixo:

ATITUDE

CRENÇA DOS PAIS

EFEITO REAL NAS CRIANÇAS

Gritar em casa, quando estão perto dos bebês.

Não acontece nada quando os bebês estão dormindo.

Que isso só iria afetar as crianças a partir dos dois anos de idade.

A partir dos 6 meses de idade, isso pode causar-lhes distúrbios digestivos. Dificuldade de mamar e de evacuar, por exemplo. Eles sentem medo e têm seu sono perturbado, por conta da ansiedade que eles captam.

Conversar com os bebês.

Não importa nem muda nada, pelo menos até os 3 meses de idade. Para outros, seria só depois de 1 aninho.

Desde os primeiros dias, isso tem efeitos positivos no desenvolvimento da sua linguagem. Alguns especialistas afirmam que ainda na barriga eles ‘ouvem’ a voz de suas mães.

Ler livros de história para os bebezinhos.

Não muda nada antes dos 6 meses de idade. Para outros, as criancinhas só entenderiam mesmo a partir dos 2 anos.

A partir dos 6 meses as crianças já são capazes de compreender aspectos básicos de uma história e reagir em relação a isso.

Pais nervosos ou tristes

As crianças não percebem nada disso, antes dos seus 2 ou 3 aninhos.

As crianças já captam o estado emocional de seus pais a partir dos 3 meses de idade.

 

O desenvolvimento do cérebro das crianças é significativamente afetado por cochichos e por palavras ásperas. Para as mentes infantis, essa é uma forma de violência, especialmente se for repetida muitas vezes, mesmo antes dos 6 meses de idade. Porém muitos pais acreditam que elas não serão afetadas se os rancores e acusações entre os pais forem sussurrados ou, mesmo, se eles não disserem nada entre si. Só sentirem, mas não manifestarem.

O que o Alzheimer tem a ver com isso.

Assim como a criança chega ao mundo ‘de corpo e alma’, praticamente sem entender nada, porque entender é uma função cognitiva, ligada ao desenvolvimento das áreas racionais, do pensamento humano, um paciente com Alzheimer – desde a fase inicial da doença – passa a não entender mais, algumas coisas. Daí que começa a agir diferente e nem sabe explicar o porquê das suas mudanças. Parece ficar ‘mais implicante’ e menos atento. Como se diz, torna-se uma pessoa ‘mais difíceis’ de lidar.

Esta é uma transformação que vai se instalando gradualmente, na medida em que a doença progride. Mas não se trata de uma progressão linear. Ela acontece ‘aos saltos’. E, também suas manifestações oscilam, o que leva a mudanças de estado de humor ‘sem causa aparente’, parecendo ‘birra’.

Isso confunde muito aqueles que convivem com o paciente, porque ‘nunca sabem o que vão encontrar’ pela frente. O que foi feito de acordo ontem, hoje poderá gerar uma briga e, mais tarde tudo volta ao normal. Então, causa a impressão de que o paciente está querendo provocar, que está ‘fazendo de propósito’, que quer nos testar, que está manipulando. Além disso, o paciente pode achar divertidas, as nossas reações e, é aí que entorna o caldo.

O que é preciso entender de uma vez por todas – mas esta é uma forma de falar, porque leva um bom tempo até que se entenda – é que o cérebro dessa pessoa não está mais funcionando como funcionava antes. E daqui para frente, o doente vai surpreender cada vez mais. E isso vai requerer uma longa aprendizagem da parte daqueles que cuidam.

Uma das valiosas dicas: reaprenda a linguagem emocional. Este vai ser um grande trunfo em suas mãos para poder cuidar sem se estressar tanto. Lembre-se de que, ao perder parte de suas funções cognitivas, o doente de Alzheimer vai passar a reagir – e a agir – mais intuitiva e emocionalmente. Assim como os bebês captam desde cedo as emoções dos pais, os doentes de Alzheimer vão captar mais apuradamente as intenções dos filhos. Dos seus cuidadores.

Você poderá represar sua raiva. Mas o doente vai captar a sua raiva e, pior, vai pensar que é dirigida a ele e sentirá medo. Oras, o que uma pessoa com medo faz? Ou ataca ou se encolhe. De alguma forma, a pessoa tenta fugir da situação. Se a pessoa ataca, você vai sentir mais raiva ainda. Se ele se encolhe, você vai tentar ‘tirá-lo’ da toca, do seu mutismo, de sua recusa a fazer as coisas que você quer que ele faça e que, na maior parte das vezes, ele precisa fazer. Mas não na hora, nem do jeito que você escolheu que ele faça.

E como a pessoa vai fugir? Sua atenção vai derivar ainda mais, poderá ficar alheada e parecer não entender nem colaborar com mais nada. Difícil? Sim, muito difícil. Então, não adianta tentar esconder a raiva na frente dele, porque as emoções são vibrações que se transmitem à distância. Nosso corpo vibra e a mente do doente capta. Isso não quer dizer que o paciente voltou a ser criança, mas que passou a utilizar-se dos mesmos mecanismos intuitivos e sensíveis que, desde bebês todos usamos. É com estes mesmos mecanismos que começamos a decifrar o mundo e as nossas relações com as coisas e, principalmente, com as demais pessoas.

É assim com os doentes com Alzheimer. Reagem com seus sentidos, mais do que com seus pensamentos. Respondem mais ao conteúdo emocional das nossas falas, dos nossos gestos, das nossas intenções, do que àquilo que conversamos. Nossas palavras deixarão de fazer sentido, mas nossos gestos, nossos afetos impressos no tom nossa voz serão logo decifrados. E quanto mais a doença avançar, mais assim será. Sua vulnerabilidade crescente será também a sua força crescente sobre nós.

E, com certeza, o paciente de Alzheimer vai espelhar muito da sua pessoa! Você vai aprender mais sobre você própria. Ou próprio. Você será chamada a ser gentil, quando desejaria esganar. Será chamada a ser paciente, quando estará morrendo de pressa. Será chamada a ser muito mais respeitosa, quando você gostaria é de resolver tudo logo, de uma vez e sem consultar ninguém.

Isso assusta muito. Você também terá que ser mais intuitiva. O paciente estará desesperadamente sofrendo o desgaste, a falência de suas capacidades: de se comunicar, de pronunciar o nome correto das coisas que deseja dizer ou demonstrar. Suas frases serão interrompidas pela fuga de suas ideias. Seus gestos serão mais duros e desastrados e, chegará um dia em que as mãos dessa pessoa deixarão de saber de acariciar. Seus lábios não mais irão sorrir e ela, ou ele, deixará até de saber engolir.

Você vai se sentir só e abandonada. E vai brigar com o mundo e com Deus, também. Vai se sentir pequenininha e carente, sem ter com que dividir. Por que somente aqueles que passam e passaram por isso, sabem do que você vive e sente. Sabem da perplexidade e da desolação causada em seu peito e em sua mente. De suas horas de silêncio, cansaço e agonia pela brutalidade da doença e pela vulnerabilidade daquele de quem você cuida ou cuidou.

Você terá sido tudo para aquela pessoa, assim como a mãe é tudo para seu bebê. Você terá sido empossada de todos os poderes, porque você terá o paciente, seja quem for em suas mãos. Você poderia tê-lo envenenado. E não o fez. Você poderia tê-lo empurrado escada abaixo. E não o fez. Você poderia tê-lo abandonado sujo, sob o sol ou ao relento, mas você o trouxe para dentro. Não só de volta a casa, mas para dentro de si.

Você terá aprendido a amar, tanto quanto a odiar. A aceitar, tanto quanto a se revoltar. A implorar por novas forças, tanto quanto a querer sumir. Terá tocado todas as notas e cores do amplo espectro das emoções humanas. E terá elegido aquelas que têm significado e propósito para você. E sairá desta louca experiência muito mais sábia do que jamais imaginaria. Nem tudo são flores, mas nem tudo são horrores. Seja cuidadosa com o paciente, que estes cuidados também se voltarão para você. Cuide-se, cuidador. Cuide-se.

  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.

Deixe uma resposta