SER MÃE É TER UM SÉQUITO DE PESSOAS DE BEM QUE NOS AJUDAM ESPONTANEAMENTE E, SEM QUE O SAIBAMOS, NOS CUIDADOS PARA COM OS NOSSOS FILHOS. ESTE, É UM BOM DIA PARA AGRADECER, A TODOS ELES, POR NOSSOS FILHOS ESTAREM CONOSCO.

Ser mãe

Não batam as mães no próprio peito, afirmando com grande vaidade, cuidar dos filhos sozinhas! Nem que o pai seja falecido ou totalmente ausente. Esta crença não se sustenta nas vivências do cotidiano, nem traduzem as realidades.

Como mães, jamais saberemos quantas outras pessoas, homens e mulheres, ajudam e já ajudaram nossos filhos a estarem vivos e inteiros para nos cumprimentar, agradecer e alegrar.

Pessoas anônimas que impediram uma criança nossa de sofrer um atropelamento, quando sem se dar conta, atravessaram uma rua sem olhar para os lados. Que lhes enxugaram as lágrimas, secando seus chorinhos sentidos, fazendo-lhes um simples agrado, um curativo, prestando-lhes companhia. Pessoas que lhes sorriram e deram algo de comer e de beber, quando nossos filhos e filhas se sentiram abandonados pelo pequeno ou grande atraso à hora de pegá-los nas escolas. Que os levaram e trouxeram de volta, sãos e salvos, contando-lhes casos e histórias fantásticas, que lhes atiçaram a curiosidade e abriram suas cabecinhas, conferindo-lhes o direito sagrado de pensar diferente.

Pessoas, homens e mulheres generosos o suficiente para convidá-los a um passeio que, conosco, jamais teriam feito. Que lhes apresentaram visões e soluções que jamais teríamos pensado. Que partilharam de momentos importantes de suas vidas, de modos e com capacidades que jamais teríamos alcançado cultivar. Que se postaram firmes a seu lado, quando nem nós mesmas havíamos atentado para a importância de terem alguém mais velho, mais experiente, algum adulto consigo, até mesmo um desconhecido, que pudesse ajudá-los a superar uma situação-problema.

Agradeçamos aos nossos amigos e vizinhos, aos irmãos mais velhos de nossos filhos e, mesmo aos mais novos que lhes garantiram um afeto constante e, docemente correspondido, mesmo sem lhes ter sido explicitamente pedido. Nós trabalhamos. Saímos de casa. Não estivemos, não estamos, nem estaremos em todos os lugares e em todas as horas para atender, cuidar, vestir, alimentar, acompanhar, estimular, apoiar, encaminhar, ensinar e educar os nossos filhos. Aos avós e avôs, se não os próprios, os dos coleguinhas. As mães e pais dos namorados. E aos tios, todos. Aos amigos de nossos filhos, aos professores atentos, dedicados e, também, agradecer aos nossos empregados.

Ana FraimanA TODOS, AO MEU MARIDO PRINCIPALMENTE, NA QUALIDADE DE MÃE, AGRADEÇO HUMILDE E PROFUNDAMENTE.

Ana Fraiman

Deixe uma resposta