Alzheimer e as emoções

A qualidade dos cuidados que familiares e cuidadores dispensam têm forte impacto na saúde física e mental do idoso, especialmente quando ele já está mais vulnerável ainda.

Alzheimer
Imagem: pixabay

Muitos dos familiares não se dão conta, nem assumem que isso aconteça e outra grande parcela não acredita que suas atitudes sejam determinantes no aceleramento e agravamento das doenças de longa duração.

Veja também: Psicologia do Envelhecimento com foco na Doença de Alzheimer

Vamos ver o que têm a ver as crenças dos pais sobre suas próprias atitudes e impactos que elas podem causar nas crianças desde a mais tenra infância, com as atitudes e crenças que os filhos têm em relação aos seus pais demenciados.

Examine o quadro abaixo:

Continue lendo

A REFORMA DA PREVIDÊNCIA: mais debates antes das soluções

Ando exausta de tantas mentiras e enganações. Quero viver em um BRASIL que é rico, em um BRASIL de verdade! Vida longa à previdência pública: primeiro acabar com os ralos por escoa o dinheiro da Previdência, depois à Reforma.

Previdência Social
Imagem: exame.com

Manchetes e reportagens repercutem ad nauseam fatos e detalhes de escândalos. Meses depois ainda se ouvem as mesmas notícias e são vistas as mesmas imagens. Empresários sendo levados a depor, políticos escamoteando os fatos. Bandidos com tornozeleiras não monitoradas. Funcionários públicos sem recebimento de salário.

Continue lendo

Portas cerradas

Enquanto passamos pelo tempo, Heraldo Palmeira o recupera em imagens e palavras, para nos ajudar a recordar.

Papel Carbono
Imagem: ruadireita.com

Heraldo Palmeira

A placa com “aluga-se” em letras garrafais encerrava uma história. O trânsito lento e o sinal fechado mais adiante facilitavam a leitura daquele anúncio incômodo dependurado no umbral. A papelaria de tantos anos fechara finalmente suas portas, depois de uma lenta agonia.

Continue lendo

A dor da perda

Temos sido assolados por imagens de guerras e de foragidos. Crianças desterradas, sem pais nem irmãos. Favelas construídas sobre aterros. Tiros disparados a toa, balas perdidas estraçalhando famílias. Parece nada importar.

Carro de Boi

Alguns de nós clamamos por justiça. Outros oram e se penitenciam. Outros meditam e outros se alienam em vícios e desgraças mil. Famílias se esgarçam, enquanto a sensação é de piora crescente, que desperta consciências. Ou então, nada.

Continue lendo

O que significa ser a última geração que viveu o mundo analógico

Ana Freitas 05 Set 2016 (atualizado 05/Set 12h55)

Você se lembra de quando se via sem nada para fazer e contemplava o ócio, sem sacar o celular do bolso? Essa é uma reflexão que tende a acabar junto com aqueles que vivenciaram o mundo off-line.

AQUELES NASCIDOS ANTES DE 1985 FAZEM PARTE DA ÚLTIMA GERAÇÃO "BILINGUE", CAPAZ DE VER O MUNDO PELA PERSPECTIVA DIGITAL E ANALÓGICA.

Digital x Analógico

Quando foi a última vez que você se viu sem absolutamente nada para fazer e contemplou o ócio? Momentos como esse têm se tornado cada vez mais raros no cotidiano. O motivo é que, mesmo naqueles minutos de espera do ônibus ou da chegada de um amigo no bar, sua atenção é desviada para o celular.

Continue lendo

Como começar a ensinar conceitos matemáticos para crianças bem pequenas

Queridos e queridas que têm acompanhado, comentado e compartilhado meus posts. Boa parte de vocês já tomou conhecimento de que sou Presidente Nacional dos segmentos Família e Idoso, do Partido Social Democrata Cristão - PSDC.

Matemática para crianças

Ao aceitar esse posto coube-me uma tarefa fundamental e monumental: levar às famílias também e, não somente aos idosos em particular, o que há de mais moderno, mais humano e mais elevado, no que diz respeito a cuidar de cada membro de uma família. Não é pouco ao que me propus.

Continue lendo

O sentimento de felicidade aumenta com a idade

Chega de preconceito. À luz das novas pesquisas longitudinais, a relação entre idades avançadas e tristeza, acabrunhamento, não se faz presente nem constante. Achar que velho é chato e ranzinza não passa de puro preconceito.

O sentimento de felicidade aumenta com a idade

Muito pelo contrário, o que se verifica é que os mais velhos sentem-se melhor e mais em paz consigo mesmos, sabendo aproveitar mais das coisas simples da vida.

Ainda que isso possa soar meio paranoico, as pessoas realmente são mais felizes à medida que envelhecem. Ainda que muitas coisas em nossas vidas piorem com o tempo, o curioso é que em muitos aspectos as pessoas começam a se sentir melhor.

Um estudo realizado com um grupo de 1.500 participantes, com idades compreendidas entre 21 e 99 anos, realizado em São Diego, na Califórnia, Estados Unidos, constatou que as pessoas mais estressadas e deprimidas de todo o grupo eram aquelas que estavam em seus vinte anos. Da sua parte, as de noventa se mostraram mais felizes.

Os investigadores também observaram uma consistência notável em seus resultados: os mais velhos, além de se sentirem mais felizes e estarem em paz consigo mesmos, eram menos deprimidos e sofriam de menos ansiedade e estresse.

Segundo eles, isto se deve a certas qualidades que nos fortalecem à medida em que amadurecemos e envelhecemos: a empatia, a compaixão, o autoconhecimento, a abertura a novas ideias, a firmeza e a estabilidade emocional.

Outra razão que, geralmente leva pessoas mais velhas a serem mais felizes, é a sua confiança. Dois estudos em grande escala, realizados na Universidad de Northwestern e, na Universidad de Buffalo, mostraram evidências concretas ara isso.

O primeiro estudo, realizado ao longo de um período de 30 anos e com uma enorme amostra de 200.000 pessoas de 83 diferentes países e, o segundo estudo, com uma amostra bem menor, de 1.230 pessoas, distribuídas em diferentes grupos de idade, observaram haver relação estreita entre a confiança e a idade, chegando as mesmas conclusões: as pessoas se tornam mais confiantes à medida que envelhecem, o que resulta em sensação de maior felicidade.

Com a idade, há uma forte tendência a ver o lado positivo da vida e aumenta a capacidade de enxergar o melhor de cada pessoa com quem se relacionam, bem como serem mais tolerantes.

Em 2015, um estudo realizado pelo Instituto Gallup-Heathways, mapeou mais de 173.000 pessoas nos Estados Unidos. Os participantes com mais de 55 anos apresentaram um índice mais elevado de bem estar econômico. Cerca de 52% deles, também disse considerarem-se mais ‘prósperos’, em contraste com 32% dos participantes com idades abaixo dos 55 anos.

Por outro lado, os mais velhos, acima dos 55, comiam melhor, sua alimentação era mais saudável que a dos mais jovens. Ainda mais interessante foi a descoberta de que o níveis de depressão e de obesidade se reduziam drasticamente depois dos 64 anos.

Investigadores da Universidad del Noreste e o Instituto de Tecnología da Georgia realizaram estudos cognitivos e concluíram que as pessoas mais velhas tendem a se concentrar nos estímulos e nas memórias e recordações mais felizes. Acredita-se que os processos cognitivos os ajudam a regular melhor suas emoções e a enxergar a vida a partir de uma perspectiva mais positiva.

Outra diferença marcante é que os jovens buscam aventuras mais memoráveis, enquanto ao mais velhos sentem-se contentes com as coisas do seu dia a dia.

Enquanto a maioria dos mais jovens está preocupada com as coisas que vão fazer, como: férias, planos de fim de semana etc, os mais velhos gozam das coisas simples da vida, coisas que os ajudam, como ajudariam a todos, a estar em paz consigo próprios.

Texto traduzido e editado por Ana Fraiman

Fonte: TudoporEmail

  • Psicóloga formada pela UNIP, Mestre em Psicologia Social pela USP e doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP.
  • Pesquisadora pelo NEF - Núcleo de Estudos do Futuro, com foco no Ecossociodesenvolvimento | Cátedra Ignacy Sachs, alinhada ao United Nations Millennium Project.
  • Coaching de Carreira e Preparo para uma Aposentadoria Sustentável.